Autor Tópico: Batalha  (Lida 15059 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline jrnmariano

  • Aprendiz
  • *
  • Mensagens: 31
    • Ver Perfil
    • http://sopadorpg.wordpress.com
"Animais como Nós"
« Responder #75 em: Setembro 02, 2011, 05:14:35 am »
Olá a todos!

O "Animais como Nós" é um jogo gratuito de contar histórias para três jogadores inspirado no romance "Batalha" de David Soares. Nele jogam-se animais das matas e das aldeias de um antigamente em que estas criaturas falavam e questionavam os seus instintos e a sua natureza.

Convido-vos assim a visitar o sítio de apresentação deste projeto (http://animaiscomonos.tumblr.com/) donde podem descarregar o documento de jogo que ainda está em desenvolvimento.

Obrigado pela vossa atenção! :)
sopadorpg.wordpress.com - Um roleplayer entre Santarém e Almeirim
ideonauta.blogspot.com.com - Viajando pelos mundos do RPG!

Offline Ammar Ibn Khairin

  • Bibliófilo
  • ******
  • Mensagens: 1765
  • O descendente do Corvo Negro
    • Ver Perfil
Re: Batalha
« Responder #76 em: Setembro 24, 2011, 05:05:02 am »
Batalha - Crítica no PNETliteratura

 

É uma memória indelével. Criança, no banco de trás do carro, em viagem para a Figueira da Foz. Às tantas, horas de viagem volvidas (e revolvidas), surgia, como se do nada, ao fundo de uma estrada recta e estreita a descer a visão monumental do Mosteiro da Batalha. Curiosamente, há bem pouco tempo visão similar testemunhei ao descobrir, nos mesmos termos (embora noutro termo), o abandonado e arruinado mosteiro de Seiça. Pois bem, atrás, à Batalha de novo para chegar ao mais recente romance de David Soares, justamente «Batalha» intitulado. E isso para relembrar ainda a história então ouvida, e a cada passagem ali recalcada, das Capelas Imperfeitas do supracitado mosteiro e da correspondente estória do seu arquitecto que, desejando provar a solidez da sua construção e a exactidão dos seus cálculos, sob os seus tectos ameaçando queda (a olhos ignaros) ali pernoitara algumas noites. É esta história que agora, neste seu livro, de uma forma quase tão desarmante como o Mosteiro da Batalha surgia aos olhos dos viajantes ao fundo da estrada, portanto de forma surpreendente, David Soares recupera e nos oferece e forma de literatura.

Que literatura? - perguntar-se-á? Não é toda ela uma só? Sem mais e sem delongas: não é; esta sendo! Mas vamos ao odium habitual nestas coisas de recensão crítica, o passar em visita o currículo do autor. Recorra-se para tal, e de forma sumária, ao que nos avança a editora: « David Soares é autor dos romances Batalha, O Evangelho do Enforcado, Lisboa Triunfante e A Conspiração dos Antepassados. (...) Publicou quatro livros de contos, seis álbuns de banda desenhada e um livro de ensaio literário sobre banda desenhada. Publicado em França e em Espanha, foi premiado com dois troféus para Melhor Argumentista Nacional e uma bolsa de criação literária, atribuída pelo Instituto Português do Livro e das Bibliotecas e pelo Ministério da Cultura. (...) A revista literária Os Meus Livros considerou-o «o mais importante autor português de literatura fantástica». Confirmo tudo e retenho esta última tirada que o diz o mais importante autor português de literatura fantástica. A catalogação é óbvia e quanto a mim redutora, irritantemente redutora. Tão-só porque separa, delimita, exclui - sobretudo isto, exclui. Logo é obscena, coloca fora de cena.

Tomemos Gabriela Llansol ou José Luís Peixoto. Tomemos Paulo Miranda ou Lídia Jorge. Tomemos Gonçalo M. Tavares ou João Tordo. O que une estes universos? Uma mesma literatura? Literatura, literatura, somente literatura? E porque não literatura esotérica, psicológica, introspectivante, filosofante, realista, cinematográfica, por aí adiante? Porque não compartimentar também por aqui? A questão é a seguinte, porquê insistir no marginalizar de uma literatura dita «fantástica»? Onde quero chegar: David Soares é um grande autor literário, ponto. Logo, não será «o mais importante autor português de literatura fantástica», antes, sem qualquer duvida, um dos mais importantes autores de literatura portuguesa. E aqui chegado, resta dizer do porquê de tal importância.

Vamos à história, aqui relatada em jeito de fábula ou parábola. Um dia de dilúvio. Um casal de ratos em fuga tropeça, ao caminho, com uma cria de ratazanas prestes a morrer sob a intempérie. A fêmea condói-se e convence o macho a adoptarem a cria. Trazida ao seio de uma comunidade que não é sua de raiz, o facto é que a diferença e a sensibilidade acabam por torná-la aceite; leia-se: no mundo dos animais a esperança existe! Depois deste episódio comovente inicial o romance segue numa quase linha de aventuras, em que a ratazana se torna gigante ao ponto de conseguir desfeitear a malícia e perversão animal dos gatos, seus predadores ad initio dos tempos, de resto, como estará escrito na lei da vida, nas leis da mecânica original do gigantesco restaurante que é a cadeia alimentar animal... Neste ponto trata-se também de uma viagem (literária e aventureira) de aprendizagem para a ratazana, que no ínterim ganhara o seu nome de guerra, Batalha.

E por aí, ao correr das páginas, o fulcro de todo este narrar e contar, ou seja, o dizer o Homem naquilo que mais nele impressiona: o poder que exerce sobre todos os outros seres vivos. De outro modo, aquilo que David Soares entretece, por vezes no entrelinhas, no não dito ou não nomeado, insinuando para subentender, é o Homem e as suas idiossincrasias. «Batalha» é pois um notável tratado sobre a essência humana, leia-se, sobre os jogos de poder e o seu exercício, que passam pela linguagem, pela crença religiosa, pela lei da força. Mas mais notável se revela à luz da simplicidade com que a narrativa evolui, conseguindo, a um só tempo, estatuir uma singular riqueza de linguagem, bem como uma assertiva e profunda linha de pensamento e reflexão. Elucidativo e exemplar é, diria, o sub-capítulo três do capítulo III, uma brilhante lição sobre o que é o poder, sobretudo quando aliado à perspectiva cristã-eclesiástica.

Depois, e no fim, há Batalha, a magnífica história do Mosteiro da Batalha, a história das Capelas Imperfeitas. Depois, mais não digo, antes convido à partilha de mais uma experiência literária de primeira água. Que nos oferece o prazer de uma história emocionante, que nos reencontra com o prazer da escrita, que nos cativa pela exigência de linguagem, que a todo o instante nos convida a revermo-nos a uma espécie de espelho onde surgimos no melhor e no pior da natureza humana.

Para seguir em PNETLiteratura.
http://www.pnetliteratura.pt/cronica.asp?id=3808

ubik

  • Visitante
Re: Batalha
« Responder #77 em: Janeiro 06, 2012, 21:17:46 pm »
Confesso que fico amiúde estupefacto com algumas afirmações de alguns escritores e intelectuais da nossa praça.
O David Soares, que tem uma obra meritória( que admiro e já recomendei) no panorama literário português, e que me merece todo o respeito enquanto artesão do fantástico, deixa-me muitas vezes com a sensação de que se considera num patamar intelectual muito acima de qualquer dos restantes mortais, incluindo os seus próprios leitores.
Isto tudo a propósito de uma entrevista dada ao Blog Morrighan, que me deixa apreensivo sobre aqueles que escrevem ficção e sobre os "estranhos" caminhos que levam alguem a escrever ficção.Para reflexão:é honesto escrever ficção?Será sério ler ficção?

Não fosse suficiente, para quem "entra" no seu blog, assistir ao debitar de todo a sua "erudição" erudita, hermética e oculta(muitas vezes opaca), teima em afincadamente buscar toda a entrevista, toda a critica( a maior parte nem criticas são, mas autos de fé), toda a menção à sua Estimável e Unica obra( por mais espúria que seja,até podia acontecer na Casa dos Segredos! que no blog constaria), num exercicio narcisista e onanista de grande rigor "investigatório" e quase religioso, vem agora afirmar, nesta entrevista ao blog Morrighan, considerar,  a leitura de ficção como uma perda de tempo(citação).

Caro David Soares:tendo lido grande parte da sua ficção venho exigir me indemnize pelo tempo perdido.(O meu tempo, não o seu, embore me "solidarize" com todo aquele tempo que perdeu ao escrever toda a ficção que me fez perder o meu tempo ao lê-lo).


Espero pois que, e tal como "promete", a sua  futura  obra de não-ficção, seja uma verdadeira bomba( e é de admirar a sua capacidade de isenção e de distanciamento critico relativamente ao que produz, e no momento em que a produz!) e não redunde, essa sim, em mais uma perda de tempo.
Tal qual a sua ficção, como afirma!

Offline Smirlah

  • Administrator
  • Bibliófilo
  • *****
  • Mensagens: 16630
    • Ver Perfil
Re: Batalha
« Responder #78 em: Abril 17, 2012, 14:11:23 pm »
Ontem acabei de ler este livro e posso dizer que gostei bastante. O dilema da existência de Deus e do valor da vida já não é um que me interesse particularmente mas não deixou de ser interessante acompanhar as diversas personagens nas suas divagações. O livro está realmente escrito como se de uma fábula se tratasse e isso dá um tom muito cativante ao texto.

Curiosamente a parte que mais gostei foi aquela que pensei ir gostar menos, o encontro de Batalha com o arquitecto Afonso Domingues. A história da abóbada da Casa do Capítulo daquele mosteiro era uma história que o meu pai me costumava contar quando eu era criança e fiquei deliciada quando me apercebi tratar-se da mesma abóbada e história (não relacionei o nome do arquitecto de todo...).

O final foi ainda bastante bonito e a explicação arranjada para o nome do mosteiro não deixa de ser engraçada.
Spoiler (click to show/hide)