Autor Tópico: Botão Meu (poema)  (Lida 1565 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline MS2010

  • The power of the word is the power of the world.
  • Bibliófilo
  • ******
  • Mensagens: 2260
    • Ver Perfil
Botão Meu (poema)
« em: Julho 13, 2016, 14:36:08 pm »
Dou boas tardes a toda a comunidade BANG. Deixo aqui um poema meu, mais um momento de inspiração poética. :D Penso que já sou um fruto mais maduro em termos de escrita. Tenho evoluído bastante com a "college", ainda que tenha muito mais pormenores técnicos a nível de estilo de escrita para aperfeiçoar. :P
Espero que gostem. Com mais um bocadinho de paciência, estou encaminhado a publicar um livro, espero eu.

                                                               
Botão Meu

Acredito que sim
O meu botão diz que sim
Ah, quantas vezes me inspiraste
A trazer os versos desde o pau até à jangada

Botão Meu,
Serás sempre o meu oriente
Que me guia de dia e de noite
Não deixo que me desfaces
E que nem por uma sombra me enlaces.

Tu, jangada, como te atreves a destruir a minha camisa?
Aquela cujo botão d’oiro sempre fora conservado
Ah, botão meu, botão meu, que estais ao meu lado
Junto me trazes sorte
E nunca a morte

Portanto, a vida não é feita de prazeres
Tampouco de malfazeres
Mirar o botão e não a  jangada
Pois o botão é fruto do sucesso alcançado
E não do ócio abraçado
Assim, este não se obtém com leveza,
Mas sim com a certeza
De que algo melhor virá para descansar
A realeza de tamanhos esforços.
Por outro lado, a jangada fruto do egoísmo humano
Não ocupa lugar no meu altar,
Pelo que a madeira poderia ter sido evitada de tamanho dano.



A ler: Guerra dos Tronos , de George R.R. Martin (PT) ;

Para ler: A República, de Platão (PT); Os Jogos da Fome, de Suzanne Collins (PT); Brave New World by Aldous Huxley (BE version)