Autor Tópico: Mulholland Drive (2001), de David Lynch  (Lida 4965 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Forbidden

  • Leitor Inveterado
  • ***
  • Mensagens: 479
    • Ver Perfil
Mulholland Drive (2001), de David Lynch
« em: Outubro 22, 2011, 02:22:17 am »


A cena mítica do Club Silencio...

Resolvi criar este tópico devido á discussão sobre o filme no outro topico, penso que poderemos discutir vários aspectos deste filme, visto ser tão complexo e multifacetado. Para mim, este é um dos melhores filmes alguma vez feitos, de qualquer década ou gênero! E esta afirmação deve-se não só ás suas enormes qualidades como filme mas também devido ao enorme impacto que teve em mim e que continua a ter. É um filme cheio de emoções e ideias abstractas, cheio de simbolismo. As actuações são fenomenais, a Naomi Watts já tem o seu devido reconhecimento pela sua fantástica actuação, mas penso que a Laura Elena Harring é bastante desvalorizada, ela também dá uma actuação excelence  e tenho imensa pena que a sua carreira não tenha florescido como a da Naomi...

Podemos continuar com a conversa do outro tópico, acerca dos sonhos deverem ou não ser considerados continuação da realidade, ou partir para outro assunto... há um que me instiga uma certa curiusidade e que ainda não vi respondido, a questão da Rita "loira", qual é o seu significado... talvez signifique a mudança que a Diane/Betty queria na Camilla/Rita, ou será uma terceira "persona"?
"I took a deep breath and listened to the old brag of my heart: I am, I am, I am."

- Sylvia Plath

Offline oliveira8

  • Bibliófilo
  • ******
  • Mensagens: 5652
    • Ver Perfil
Re: Mulholland Drive (2001), de David Lynch
« Responder #1 em: Outubro 22, 2011, 21:19:48 pm »
há um que me instiga uma certa curiusidade e que ainda não vi respondido, a questão da Rita "loira", qual é o seu significado... talvez signifique a mudança que a Diane/Betty queria na Camilla/Rita, ou será uma terceira "persona"?

As duas mulheres tornaram-se numa. Neste caso a Rita tornou-se na Betty/Diane.(You look like someone else)



Pode se dizer que a razão porque Rita não responde ao "I'm in Love with you" é porque já não existe  Rita mas apenas Betty/Diane. Esta cena chega depois de elas encontrarem o corpo, e a seguinte é o Club Silencio, já a esta altura o sonho está a entrar em colapso(Não ao estilo Inception.). É o subconsciente de Diane a entrar e dizer a verdade, não existe resposta porque Betty/Diane odeia-se a si próprio pelo que fez. Um pouco como em Lost Highway e as cassetes de video.

Offline Forbidden

  • Leitor Inveterado
  • ***
  • Mensagens: 479
    • Ver Perfil
Re: Mulholland Drive (2001), de David Lynch
« Responder #2 em: Outubro 22, 2011, 22:08:32 pm »
há um que me instiga uma certa curiusidade e que ainda não vi respondido, a questão da Rita "loira", qual é o seu significado... talvez signifique a mudança que a Diane/Betty queria na Camilla/Rita, ou será uma terceira "persona"?

As duas mulheres tornaram-se numa. Neste caso a Rita tornou-se na Betty/Diane.(You look like someone else)



Pode se dizer que a razão porque Rita não responde ao "I'm in Love with you" é porque já não existe  Rita mas apenas Betty/Diane. Esta cena chega depois de elas encontrarem o corpo, e a seguinte é o Club Silencio, já a esta altura o sonho está a entrar em colapso(Não ao estilo Inception.). É o subconsciente de Diane a entrar e dizer a verdade, não existe resposta porque Betty/Diane odeia-se a si próprio pelo que fez. Um pouco como em Lost Highway e as cassetes de video.

Sim, faz sentido. É muito interessante a linguagem de Lynch, a maneira como ele diz e mostra as coisas, é um estilo unico que nunca vi em nenhum outro realizador - reparei em algumas parecenças de estilo com o Kubrick no The Shining, quanto aos outros filmes dele nao sei, só vi metade do 2001 e nao me cativou la muito, acho o Lynch muitissimo superior a ele...

Outra questão, achas que o facto de o Cowboy aparecer na cena do anunciamento do noivado tem a intenção de dizer que aquela cena foi uma espece de alucinação, ou exagero da realidade, até porque é um pouco estranho a Camilla beijar outra mulher no meio de toda gente, nao era suposto ela querer esconder que era lésbica? Não foi por isso que ela acabou com a Diane? (isso e para subir na carreira...)

Talvez a Diane tenha inerpretado mal algum gesto entre as 2, e na sua mente tenha criado aquele beijo...


"I took a deep breath and listened to the old brag of my heart: I am, I am, I am."

- Sylvia Plath

Offline oliveira8

  • Bibliófilo
  • ******
  • Mensagens: 5652
    • Ver Perfil
Re: Mulholland Drive (2001), de David Lynch
« Responder #3 em: Outubro 22, 2011, 22:59:23 pm »
Sim, faz sentido. É muito interessante a linguagem de Lynch, a maneira como ele diz e mostra as coisas, é um estilo unico que nunca vi em nenhum outro realizador - reparei em algumas parecenças de estilo com o Kubrick no The Shining, quanto aos outros filmes dele nao sei, só vi metade do 2001 e nao me cativou la muito, acho o Lynch muitissimo superior a ele...

Outra questão, achas que o facto de o Cowboy aparecer na cena do anunciamento do noivado tem a intenção de dizer que aquela cena foi uma espece de alucinação, ou exagero da realidade, até porque é um pouco estranho a Camilla beijar outra mulher no meio de toda gente, nao era suposto ela querer esconder que era lésbica? Não foi por isso que ela acabou com a Diane? (isso e para subir na carreira...)

Talvez a Diane tenha inerpretado mal algum gesto entre as 2, e na sua mente tenha criado aquele beijo...

Acho que o cowboy e a Camilla beijar outra mulher são eventos que acontecem de verdade.

O cowboy é apenas uma figura estranha que ela vê durante a festa.  A visão do cowboy está ligada com o sentimento que Diane perdeu Camilla de vez, e logo o cowboy é a arma de vingança dela no sonho e ele torna-se numa espécie de Nemesis para Adam. As cenas onde ele aparece são as mais irreais também, mas é ele que diz "Time to wake up".

O beijo está ligado ao que Lynch disse sobre o filme. Será que Camilla chegou onde chegou só com talento? Acho que a intenção é que ela trocou favores sexuais por papeis. A questão é se ela beija a outra por malícia, e se ela estava ciente que Diane a amava daquela forma.

Offline Forbidden

  • Leitor Inveterado
  • ***
  • Mensagens: 479
    • Ver Perfil
Re: Mulholland Drive (2001), de David Lynch
« Responder #4 em: Outubro 23, 2011, 01:28:14 am »
Sim, faz sentido. É muito interessante a linguagem de Lynch, a maneira como ele diz e mostra as coisas, é um estilo unico que nunca vi em nenhum outro realizador - reparei em algumas parecenças de estilo com o Kubrick no The Shining, quanto aos outros filmes dele nao sei, só vi metade do 2001 e nao me cativou la muito, acho o Lynch muitissimo superior a ele...

Outra questão, achas que o facto de o Cowboy aparecer na cena do anunciamento do noivado tem a intenção de dizer que aquela cena foi uma espece de alucinação, ou exagero da realidade, até porque é um pouco estranho a Camilla beijar outra mulher no meio de toda gente, nao era suposto ela querer esconder que era lésbica? Não foi por isso que ela acabou com a Diane? (isso e para subir na carreira...)

Talvez a Diane tenha inerpretado mal algum gesto entre as 2, e na sua mente tenha criado aquele beijo...

Acho que o cowboy e a Camilla beijar outra mulher são eventos que acontecem de verdade.

O cowboy é apenas uma figura estranha que ela vê durante a festa.  A visão do cowboy está ligada com o sentimento que Diane perdeu Camilla de vez, e logo o cowboy é a arma de vingança dela no sonho e ele torna-se numa espécie de Nemesis para Adam. As cenas onde ele aparece são as mais irreais também, mas é ele que diz "Time to wake up".

O beijo está ligado ao que Lynch disse sobre o filme. Será que Camilla chegou onde chegou só com talento? Acho que a intenção é que ela trocou favores sexuais por papeis. A questão é se ela beija a outra por malícia, e se ela estava ciente que Diane a amava daquela forma.


Pois, fica implico que ela usou os seus atributos para chegar onde chegou, pelo menos em relação ao Adam. E também já li que ela usou a Diane como prostituta também - o que pode ser justificado na cena em que ela olha para o Angelo Badalamenti na cena do noivado, com uma especie de nojo na cara, como se tivesse sido obrigada  a dormir com ele, em troca de "pequenos papeis nos filmes da Camilla" ...

E existe a questão do livro preto, que não percebi muito bem para quê que o Joe queria...

E depois também há outra coisa curiosa, porque é que no inicio do filme, quando a Camilla ia ser assassinada mas é salva pelo acidente, não está lá o Joe, o homem loiro que a Diane contratou? Ele não estava lá...

E depois também há a cena dos avós da Betty a rirem-se um para o outro, o que será que significa? Porventura o subconsciente da Diane sabe que aquela imagem de avós simpáticos é uma farsa e que por trás dela desprezam-na; além disso fica implicito que a Diane sofreu abusos sexuais por parte do avó - devido á cena dos avos virem atras dela até à cama, um lugar bastante simbólico...





E depois a questão do "silencio", penso que seja o silencio da avó em relação ao abuso sexual...
"I took a deep breath and listened to the old brag of my heart: I am, I am, I am."

- Sylvia Plath

Offline oliveira8

  • Bibliófilo
  • ******
  • Mensagens: 5652
    • Ver Perfil
Re: Mulholland Drive (2001), de David Lynch
« Responder #5 em: Outubro 23, 2011, 02:10:11 am »
E existe a questão do livro preto, que não percebi muito bem para quê que o Joe queria...

E depois também há outra coisa curiosa, porque é que no inicio do filme, quando a Camilla ia ser assassinada mas é salva pelo acidente, não está lá o Joe, o homem loiro que a Diane contratou? Ele não estava lá...

E depois também há a cena dos avós da Betty a rirem-se um para o outro, o que será que significa? Porventura o subconsciente da Diane sabe que aquela imagem de avós simpáticos é uma farsa e que por trás dela desprezam-na; além disso fica implicito que a Diane sofreu abusos sexuais por parte do avó - devido á cena dos avos virem atras dela até à cama, um lugar bastante simbólico...





E depois a questão do "silencio", penso que seja o silencio da avó em relação ao abuso sexual...

O livro preto aparece na cena que Diane contrata o Joe. O livro continha números de telefone e essas coisas. Ele perder o seu livro faz parte da fantasia de Diane onde o assassinato corre mal, e é Betty que está lá para ir salvar Rita.

A cena dos avós nunca pensei nesses lados, e é algo que não vai muito longe das ideais que constituem realidade para Lynch.(Ninguem vive no mundo real, pois toda a gente tem segredos e mente e blá blá, portanto vivemos todos em mundos que nós criamos.) Eu sempre atirei os avós juntos com o Club Silencio, a caixa azul e a criatura por de trás do restaurante, como fazendo parte do Id, Ego e Super-Ego da Diane. Fazendo assim os avós o Super-Ego, a consciência dela,(Eles aparecem pequeninos e vão crescendo e tudo) e o remorso acaba por leva-la ao suicido.(tal como acaba por destruir o seu sonho)

Offline Forbidden

  • Leitor Inveterado
  • ***
  • Mensagens: 479
    • Ver Perfil
Re: Mulholland Drive (2001), de David Lynch
« Responder #6 em: Outubro 23, 2011, 04:14:09 am »
E existe a questão do livro preto, que não percebi muito bem para quê que o Joe queria...

E depois também há outra coisa curiosa, porque é que no inicio do filme, quando a Camilla ia ser assassinada mas é salva pelo acidente, não está lá o Joe, o homem loiro que a Diane contratou? Ele não estava lá...

E depois também há a cena dos avós da Betty a rirem-se um para o outro, o que será que significa? Porventura o subconsciente da Diane sabe que aquela imagem de avós simpáticos é uma farsa e que por trás dela desprezam-na; além disso fica implicito que a Diane sofreu abusos sexuais por parte do avó - devido á cena dos avos virem atras dela até à cama, um lugar bastante simbólico...





E depois a questão do "silencio", penso que seja o silencio da avó em relação ao abuso sexual...

O livro preto aparece na cena que Diane contrata o Joe. O livro continha números de telefone e essas coisas. Ele perder o seu livro faz parte da fantasia de Diane onde o assassinato corre mal, e é Betty que está lá para ir salvar Rita.

A cena dos avós nunca pensei nesses lados, e é algo que não vai muito longe das ideais que constituem realidade para Lynch.(Ninguem vive no mundo real, pois toda a gente tem segredos e mente e blá blá, portanto vivemos todos em mundos que nós criamos.) Eu sempre atirei os avós juntos com o Club Silencio, a caixa azul e a criatura por de trás do restaurante, como fazendo parte do Id, Ego e Super-Ego da Diane. Fazendo assim os avós o Super-Ego, a consciência dela,(Eles aparecem pequeninos e vão crescendo e tudo) e o remorso acaba por leva-la ao suicido.(tal como acaba por destruir o seu sonho)

O interessante é que não existem respostas concretas e objectivas, é tudo subjectivo e poetico, o que permite que cade um tenha as suas proprias ideias e construa o seu proprio filme.

E depois a cena final... a Betty feliz junto da Rita loira, filmado ao estilo da cena do jitterbug contest, em que aparece a betty feliz junto dos avos... Será o paraiso? A vida que poderia ter sido? Uma reencarnação futura?



« Última modificação: Outubro 23, 2011, 05:07:20 am por Forbidden »
"I took a deep breath and listened to the old brag of my heart: I am, I am, I am."

- Sylvia Plath