Autor Tópico: 200 anos, 200 paginas-Critica a 200 anos de Poe  (Lida 4765 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline oliveira8

  • Bibliófilo
  • ******
  • Mensagens: 5652
    • Ver Perfil
200 anos, 200 paginas-Critica a 200 anos de Poe
« em: Junho 23, 2009, 17:33:53 pm »


Originalmente escrevi esta critica apenas contendo mil vezes a palavra COMPREM COMPREM COMPREM. Mas depois reparei que não estava a resultar, e decidi tentar outra vez. Antologia Comemorativa dos 200 anos de Edgar Allan Poe é o nome desta pequena gema literária mas por razões de não me cansar a escrever o nome, vou apenas chamar 200 anos de Poe.

Antes de criticar a compilação  em si, uma lição de historia sobre quem é Edgar Allan Poe. Edgar Allan Poe é um dos maiores escritores de sempre, e é quase impossível ler alguma obra que não tenha sido inspirada por ele. E Poe escreveu um pouco de todo; romance, ficção cientifica, thrillers, policiais, terror, macabro, terror gótico macabro e entre outros géneros literários. Poe influenciou autores como: H.P. Lovecraft, Jules Verne, Arthur Conan Doyle, Stephen King, Neil Gaiman, Agatha Christie, Franz Kafka, Oscar Wilde, até o "nosso" Fernando Pessoa e muitos outros.


Homem estranho, que escreveu coisas estranhas e que viria a influenciar pessoas ainda mais estranhas.

200 anos de Poe, é uma compilação dos melhores contos de Poe, editada pela Saída de Emergência, e é mesmo uma compilação dos melhores contos de Poe. Em 200 paginas está reunida a grandeza deste autor, e a razão porque ele influenciou tantos autores, e porque é que a sua escrita continua a influenciar tantos mais. Esta compilação é constituída por 7 contos: A Carta Furtada, A Queda da Casa Usher, O Escaravelho de Ouro, O Coração Delator, Berenice, A Mascara da Morte Rubra e O Homem da Multidão.

    A Carta Furtada é um thiller de Detectives, onde um agente da Policia Francesa pede ajuda a um pensador/filosofo chamado Dupin para encontrar uma carta muito importante que foi roubada.
    Provavelmente que já ouviram falar de Monsieur Poirot ou Sherlock Holmes, pois esses dois vem buscar as suas raízes a Dupin. Um individuo que apenas usando a razão e factos consegue chegar à resolução do crime. De todos os contos nesta compilação, A Carta Furtada é capaz de ser a mais difícil de ler, que não ajuda nada considerando que este é o primeiro conto da compilação. O raciocínio que Dupin faz para chegar a conclusão do crime é bem pesada, passando pela descrição psicológica do criminoso e até formulas matemáticas. O que pode ser bem pesado para o leitor mais casual e que não está habituado a ler historias de Detectives ou até mesmo, para quem nunca tenho postos olhos numa obra literária com esta carga de raciocínio e palavreado.

    A Queda da Casa de Usher, é um dos contos macabros Góticos de Poe, onde o narrador recebe uma carta de um amigo de infância, Roderick Usher, para o vir visitar, já que a saúde deste está muito má(Ou assim ele pensa), e a sua única companheira, a sua irmã, também está à beira da morte.
    A Queda da Casa de Usher é um dos contos macabros mais conhecidos de Poe, onde o escritor completamente destrói a mente de uma das suas personagens. As descrições podem ficar maçudas, mas a qualidade com que Poe descreve o hipocondríaco Usher é absolutamente espantosa e brilhante. E o final vai assombrar bastantes leitores durante algum tempo.

    O Escaravelho de Ouro, é uma historia de aventura para simplificar. William Legrand, o seu criado Júpiter e o narrador, descobrem um Escaravelho de Ouro, e este achado é bem capaz de conduzir a uma caça ao tesouro, de um dos piratas mais famosos do Século XVIII!
    Este conto mais tarde influenciou Robert Louis Stevenson, a escrever A Ilha Do Tesouro. Tal como A Carta Furtada , a historia desenvolve à volta do raciocínio de Legrand para encontrar o tesouro. Mas ao contrario de A Carta Furtada , Poe não "aborrece" o leitor com trivialidades. Curiosamente esta é uma das primeiras historias a usar um criptograma como ponto fulcral da historia.

    O Coração de Delator, mais um dos contos macabros de Poe, o narrador explica ao leitor que não está a louco e como está prestes a cometer um crime.
    O Coração de Delator é uma viajem à mente de um criminoso e o porque ele faz o que faz. Este é um dos melhores contos de Poe, a sua escrita provavelmente nunca esteve tão boa, como neste conto. Sempre contado na primeira pessoa(como grande parte dos contos de Poe.), a descrição e o desgaste mental do narrador é impressionante. O conto em si começa em in medias res(a acção começa a meio dos eventos) e o narrador explica porque vai fazer o que está prestes a fazer, e afirma sempre que não está louco.

    Berenice é  um conto Gótico Macabro de Poe, que conta a historia de Egaeus, que está prestes a casar com a sua prima Berenice, e que tem tendências, para ter experiências fora do corpo.
    Este conto é bastante violento, que é capaz de virar as tripas a alguns leitores, e é provavelmente o conto mais fraco da compilação. O conto em si sente-se um pouco repetido depois de ler A Queda da Casa de Usher, já que alguns elementos desse conto, encontram-se neste. Lovecraft provavelmente tirou muita influencia neste conto para alguns dos seus contos como Sonhos na Casa da Bruxa(Os Melhores Contos de Lovecraft-Volume 2 publicados pela Saída de Emergência.), onde o narrador ou personagem principal, tem experiências fora do corpo, ou até sonambulismo.

    A Mascara da Morte Rubra, outro conto do macabro, uma praga chamada "Morte Rubra" mata todo o que é vivo, só que num castelo o Príncipe Prospero decide convidar 1000 pessoas, e isola-se do resto do mundo no seu castelo. Enquanto o mundo morre lá fora o Príncipe decide fazer um grande baile. Mas um convidado inesperado decide aparecer.
    Para quem já leu Stephen King The Shining(A Luz) provavelmente já ouviu valar da Morte Rubra e do baile. Outro dos contos macabros mais conhecidos de Poe, e mais um dos variados contos onde Lovecraft foi buscar inspiração para a sua obra. Apesar do conteúdo macabro e gótico, o conto tem uma moral que faz pensar.

    O Homem da Multidão, um homem sentado num café em Londres observa a multidão a passar, e no meio dela ele observa um velho estranho. O homem estão decide seguir o velho e descobrir mais sobre quem ele é e o que ele fez ou o que está por fazer.
    Este é um conto que acaba em aberto, e que faz o leitor puxar pela cabeça e pensar para ele próprio como é que interpreta o final. Dos 7 contos de Poe nesta compilação este é o que tem menos a dizer.  Não é macabro gótico, detective, thiller, aventura não é nada. Como Seinfeld era uma serie sobre nada, este conto é sobre nada. Mas não deixa de ser o mais interessante do lote. O Homem da Multidão, põem o  leitor a pensar porque razão o narrador, segue o velho pelas ruas de Londres. E a razão porque o velho vagueia as ruas de Londres. Muitos leitores são capazes de acabar confusos, enquanto outros vão se juntar a uma discussão com quase 200 anos, sobre o que este conto simboliza. É neste conto em particular em que a escrita de Poe, revela-se no seu melhor e mais inteligente.[/list]

    Em 7 pequenos contos é reunida a grandeza de um escritor que foi um visionário, não só na literatura mas como na cultura fora do mundo das letras.(Trivia:Poe escreveu sobre a teoria do Big Bang quase 100 anos antes desta ter sido teorizada.) Poe não é bem para todos, ler a sua obra nunca é fácil, pois Poe era um escritor que abusava imenso da descrição, quer seja do mundo em redor das personagens ou as personagens em si. É capaz de ser aborrecido ler tanta descrição e tanto raciocínio por parte de muita das personagens do autor. Portanto preparem-se para um ambiente muito descritivo e muito palavreado para dizer pouco.


    A Morte Rubra vem em miniatura também...que querido!

    A tradução está ao cargo do Prof. José Manuel Lopes e de António Vilaça, e os dois trazem até nós uma tradução perfeita e fazem de um escritor que é bem difícil de ler, um prazer. A capa simplista mas fantástica em hardcover(capa dura) consegue manter-se ao nível do conteúdo desta compilação. Mas não posso deixar de criticar a decisão de escolha de dimensões para a compilação. 21 x 15 não fica muito bonito numa prateleira, percebo que a razão de terem escolhido estas dimensões foi para conseguir as 200 pagines, que provavelmente não iriam conseguir com um livro regular de 16 x 23, mas, não podiam ter arranjado uns contos extras? The Pit and the Pendulum? Ou The Raven? Para os que não percebem do que estou a falar, 200 anos de Poe é mais pequeno em altura e mais comprido em largura do que um livro normal, o que pode eventualmente não caber nas prateleiras de muita boa gente. Não é que seja um problema tão devastador que vai ditar que a compilação é má ou boa, mas um incomodo leve...

    Neste pequeno livro está reunido, as melhores obras de um dos maiores escritores de sempre. E existe um conto para todos: para os que gostam de policiais, de contos de terror, aventuras, o medo do desconhecido e os que gostam de pensar no que estão a ler. Vale a pena todos os cêntimos gastos, e o tempo dedicado a ler esta compilação. É uma escrita brilhante que nunca irá ficar "velha", e que devia ser obrigatório estudar na escola. Para resumir a Antologia Comemorativa dos 200 anos de Edgar Allan Poe leva as melhores das minhas recomendações, e devia fazer parte de bibliotecas de toda a gente, mesmo com as dimensões estranhas. E atenção que isto é uma edição limitada portanto não deixem para amanhã. Não é apenas para os fãs de Poe mas para os fãs de boa literatura.
    Comprem já!

    NOTAS DE AUTOR: Arg! Apanhei com bloqueio de escritor a meio, e isso atormentou-me a noite inteira...Mas por fim acabei! Lembrem-se de comprar este livro(se estão interessados) pela loja online já que poupam 1 euro, do que numa livraria....não sei porque mencionei isto...

    Mas por favor deixem criticas à critica, qualquer forma é bem vinda, seja boa ou má todo é bem vindo. Descrevi os contos com os mínimos de spoilers possível.

    Offline Fiacha

    • Bibliófilo
    • ******
    • Mensagens: 15386
    • Corvo Negro
      • Ver Perfil
    200 anos, 200 paginas-Critica a 200 anos de Poe
    « Responder #1 em: Junho 23, 2009, 18:10:51 pm »
    1º Gostei de ler o teu comentário, quem me dera a mim conseguir-me expressar tão bem e de uma forma tão clara. Parabens.

    2º Não devo adquirir pois não gosto de contos e ainda por cima como referiste é muito descritivo, algo que não gosto como por exemplo acontece com a leitura dos livros do Tolkien (Senhor dos Anéis).

    3º Estou de greve e só Martin me fará quebrar a greve :wink:
    Livro a ler: O Cavalo de Outubro de Collen McCuloough 6º volume da saga 1º Homem de Roma

    Offline oliveira8

    • Bibliófilo
    • ******
    • Mensagens: 5652
      • Ver Perfil
    200 anos, 200 paginas-Critica a 200 anos de Poe
    « Responder #2 em: Junho 23, 2009, 18:20:49 pm »
    Citação de: "Fiacha"
    1º Gostei de ler o teu comentário, quem me dera a mim conseguir-me expressar tão bem e de uma forma tão clara. Parabens.

    2º Não devo adquirir pois não gosto de contos e ainda por cima como referiste é muito descritivo, algo que não gosto como por exemplo acontece com a leitura dos livros do Tolkien (Senhor dos Anéis).

    3º Estou de greve e só Martin me fará quebrar a greve :wink:


    1º Obrigado! Tirando resgatando umas criticas velhas minhas a Dune e de Jurassic Park(Ao senhor Prof. José Manuel Lopes e o Candeias a arte de traduzir doí que se farta...) estou a escrever um guia de como criticar algo. Não digo que sou um mestre nesta arte, acredito que devo fazer erros a torto e direito, mas tem de se começar por algum lado. ^^

    2º Ai ai ai! Ler contos por vezes é bem chato, mas quando feito por gente que sabe escrever, são melhores que as bíblias de 1000 paginas de Martin. Robert E. Howard, Poe e Lovecraft merecem ser lidos. Entretanto deves ser capaz de ler grande parte dos contos de Poe na internet, e vale a pena mesmo com a super descrição, porque há mesmo contos de Poe que vale a pena. Não perdes nada em dar uma vista de olhos.

    3º Existe vida para lá de Martin!!! ^^ E expandir horizontes é uma coisa linda!

    Offline Fiacha

    • Bibliófilo
    • ******
    • Mensagens: 15386
    • Corvo Negro
      • Ver Perfil
    200 anos, 200 paginas-Critica a 200 anos de Poe
    « Responder #3 em: Junho 23, 2009, 18:29:49 pm »
    Citação de: "oliveira8"


    1º Obrigado! Tirando resgatando umas criticas velhas minhas a Dune e de Jurassic Park(Ao senhor Prof. José Manuel Lopes e o Candeias a arte de traduzir doí que se farta...) estou a escrever um guia de como criticar algo. Não digo que sou um mestre nesta arte, acredito que devo fazer erros a torto e direito, mas tem de se começar por algum lado. ^^!


    Acho que a prática é fundamental para se construir bons comentários

    Citação de: "oliveira8"
    3º Existe vida para lá de Martin!!! ^^ E expandir horizontes é uma coisa linda!


    Oh meu amigo concordo plenamente contigo, o meu problema é que andei durante muito tempo a comprar 10 e ler 3 por mês, o que faz com que tenha uma pilha enorme de livros para ler e só de me lembrar que gostava de reler tantos livros...

    Se até Martin (Setembro) consegui-se ler todos os livros só de romance histórico que tenho para ler, já ficava muito contente :wink:
    Livro a ler: O Cavalo de Outubro de Collen McCuloough 6º volume da saga 1º Homem de Roma

    ubik

    • Visitante
    Re: 200 anos, 200 paginas-Critica a 200 anos de Poe
    « Responder #4 em: Março 25, 2010, 11:53:56 am »
    Li agora esta critica no fórun, porque terminei a leitura do livro.

    Apenas uma "adenda" à  critica do oliveira8: Como é que este livro pode ser simultaneamente uma colectanea "para fãs de boa literatura" em que está"..reunida a grandeza de um escritor que foi um visionário.." mas que afinal se resume a um"..ambiente muito descritivo e muito palavreado para dizer pouco.."?
    Bem, oliveira8, Edgar allan Poe é definitivamente( na minha modesta opinião), um autor obrigatório.E dele já se disse tanto que apenas convido aqueles que nunca o leram, a "disfrutar".Este é o termo.
    ...Quanto à critica: por vezes os pensamentos "atraiçoam-nos" tanto que acabamos por ser vitimas das nossas próprias palavras.Isto é , tanto palavreado na critica, para tão pouco....na critica.....

    Offline oliveira8

    • Bibliófilo
    • ******
    • Mensagens: 5652
      • Ver Perfil
    Re: 200 anos, 200 paginas-Critica a 200 anos de Poe
    « Responder #5 em: Março 25, 2010, 16:38:19 pm »
    Li agora esta critica no fórun, porque terminei a leitura do livro.

    Apenas uma "adenda" à  critica do oliveira8: Como é que este livro pode ser simultaneamente uma colectanea "para fãs de boa literatura" em que está"..reunida a grandeza de um escritor que foi um visionário.." mas que afinal se resume a um"..ambiente muito descritivo e muito palavreado para dizer pouco.."?
    Bem, oliveira8, Edgar allan Poe é definitivamente( na minha modesta opinião), um autor obrigatório.E dele já se disse tanto que apenas convido aqueles que nunca o leram, a "disfrutar".Este é o termo.
    ...Quanto à critica: por vezes os pensamentos "atraiçoam-nos" tanto que acabamos por ser vitimas das nossas próprias palavras.Isto é , tanto palavreado na critica, para tão pouco....na critica.....

    Não é um resumo, é um "contra". A escrita de Poe, principalmente nos contos sobre Dupin, consegue ser extremamente longos e complicados de ler, o que pode cansar o leitor. Todos os autores tem os seus defeitos. É um autor para quem gosta de boa literatura, mas nem todos que apreciam a arte, conseguem ter estômago para certos autores. E Poe é certamente um desses. A minha mãe por exemplo não consegue passar das primeiras 20 frases deste livro. Eu desprezo completamente Charles Dickens e Alexandre Dumas, e mesmo assim são clássicos da literatura.